História

Criada em 2007, a Associação Terra de Ciclismo (ATC) tem o objetivo de realizar ações esportivas como uma ferramenta potente, influenciadora e transformadora na formação integral do cidadão. Com enfoque na modalidade de ciclismo, seus atendimentos vão desde a iniciação ao esporte de alto rendimento.

Responsável pela gestão da equipe de ciclismo de Ribeirão Preto, a ATC levou o time de figurante ao melhor do Brasil e passou a ser reconhecido e respeitado nacionalmente. Iniciou processo de formar novos talentos e montou uma equipe adulta forte capaz de competir em igualdade de condições com outros times do Brasil e do exterior.

Desta forma, esses novos talentos estão sendo apontados como promessas para o futuro do ciclismo brasileiro enquanto os atletas de alto rendimento evoluíram e conquistaram excelentes resultados em competições importantes do nosso calendário e chegaram à seleção brasileira.

 

Seleção Brasileira

Desde o início do Projeto Terra de Ciclismo/Ribeirão Preto, a equipe de ciclismo de Ribeirão Preto cedeu diversos atletas para a seleção brasileira.

Destaques para Camila Pinheiro que em 2007 disputou os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, sendo a primeira atleta convocada.  Ainda no feminino, Mariane Ferreira também fez parte da Seleção Brasileira em 2013.

Já no masculino os nomes são muitos e das mais variadas gerações, passando por Raul Cançado, Eduardo Pinheiro, Gideoni Monteiro e Jerre Adriano, além de Thiago Nardin, e Antonio Garnero. Da atual formação, Rafael Andriato, Cristian Egídio, Rodrigo do Nascimento, Alan Maniezzo e Maurício Knapp já foram convocados e vestiram a camisa amarela em provas de estrada.

 

Tricampeã do Ranking Nacional

Depois de ser uma mera figurante no ciclismo nacional durante mais de dez anos, a equipe de ciclismo de Ribeirão Preto, promovida pela Associação Terra de Ciclismo, se tornou uma das referências do país.

Em 2012 e 2013, a equipe conquistou o título do ranking nacional. Em 2014 veio o vice-campeonato e em 2015 o time foi o terceiro melhor do Brasil. Em 2016 ficou com o vice-campeonato e em 2017 recuperou a hegemonia, subindo novamente no lugar mais alto do pódio e faturando o tricampeonato.

Além de liderar o principal ranking do país, os atletas foram medalhistas em várias provas da temporada. Em 2012, o time foi campeão por equipes do Giro do Interior. Em junho de 2013, Rodrigo do Nascimento faturou a medalha de ouro no Campeonato Brasileiro de Estrada. Ele ainda foi bronze no Campeonato Brasileiro de Contrarrelógio.

Em 2014, o ciclista mostrou que o feito não foi por acaso. Ele foi vice-campeão do Brasileiro de Contrarrelógio e ficou em quarto no Brasileiro de Estrada. Na mesma prova, Thiago Nardin levou o bronze.

Em junho de 2015, Jeovane de Oliveira foi prata na resistência, Rodrigo bronze no contrarrelógio e Lucas Ribeiro, prata no sub-23 do contrarrelógio. A equipe venceu a prova de perseguição por equipes também, mantendo o excelente histórico de conquistas da equipe no campeonato nacional.

Em 2016, a Equipe sagrou-se vice-campeã nacional do ranking de estrada, voltando ao lugar mais alto do pódio em 2017 na classificação por equipes, além de ter Rodrigo do Nascimento como campeão no individual e Cristian Egídio, que terminou com o bronze.

 

Outras conquistas

Entre as medalhas conquistadas por Rodrigo do Nascimento e Thiago Nardin, a equipe ribeirão-pretana também se destacou em várias competições nos últimos anos.

No segundo semestre de 2013, Michel Fernandez subiu ao alto do pódio no GP São José dos Campos de Ciclismo e na Copa Light de Ciclismo. Já Gideoni Monteiro foi campeão geral da 5ª Volta Ciclística de Roraima.

Nilceu Aparecido e Maurício Knapp venceram a 64ª edição da Prova Ciclística Governador Dix-Sept Rosado e a 3ª etapa do Desafio das Américas, respectivamente, enquanto Thiago Nardin conquistou os 100 Km de Brasília.

Em 2014, as conquistas continuaram. Maurício Knapp foi campeão da prova São Salvador. Antoelson Dornelles foi medalha de ouro na 2ª etapa da Copa Rio e campeão por pontos da Volta Ciclística Internacional do Rio Grande do Sul.

A equipe masculina ainda subiu ao pódio em provas importantes. Michel Fernandez foi vice-campeão geral do Torneio de Verão e da tradicional Prova Ciclística 1º de Maio. Rodrigo do Nascimento foi medalha de prata no 5º GP Mega 94 e da Volta Ciclística de Goiás. Já Maurício Knapp foi segundo na Copa Rio.

O time ainda mostrou força no conjunto e trabalho de equipe ao conquistar o vice-campeonato da Volta Ciclística Internacional do Paraná em 2014 e o título da mesma competição em 2015.

Também em 2015, Rodrigo do Nascimento brilhou na Volta de Goiás conquistando o título da competição. Ele também foi vice na Volta do Paraná. Já Michel Fernandez venceu a segunda etapa da Copa América e foi campeão do Torneio de Verão.

Na edição dos Jogos Regionais da 5ª Região Esportiva de 2015, o time masculino conquistou o décimo título consecutivo. No total, foram dez medalhas, sendo cinco de ouro, três de prata e duas de bronze.

Em 2016, Luís Trevisan faturou o título sub-23 na Volta do Uruguai, e Alan Maniezzo foi campeão em Montanha na Volta do Rio Grande do Sul e também venceu o Desafio Internacional Serra do Tepequém, em Roraima.

Rodrigo do Nascimento sagrou-se vice-campeão da Volta de Goiás e na sequência conquistou o título brasileiro de contrarrelógio além do título dos Jogos Regionais e dos 100 Km de Brasília.

Já em 2017 a Equipe de RP seguiu no caminho das vitórias. Rodrigo Melo faturou uma etapa da Volta do Uruguai e a Prova Ciclística de Salvador. Maurício Knapp levou a Volta de Goiás.

Cristian Egídio deu show na temporada e apresentou sua versatilidade. Sua primeira conquista foi o GP Cidade de Curitiba, depois venceu a prova 21 de abril. Em seguida veio a Omnium, no Rio de Janeiro, uma prova do mais alto grau de dificuldade e que Cristian demonstrou toda sua regularidade para sair como campeão.

Sua próxima conquista foi os 100 Km dos Canaviais, onde ali ele fazia a “trinca”, vencendo provas de Estrada, Pista e Moutain Bike. Posteriormente ainda venceria a prova de Caieiras-SP, em evento que fez parte do 1º Meeting Internacional de Pista no Brasil.

A temporada de Cristian Egídio seria coroada com o título de uma etapa do Brasil Ride, ao lado de Lucas Ribeiro Motta. Rodrigo do Nascimento também fez uma excelente temporada, sendo vice-campeão brasileiro no contrarrelógio, além de campeão do Desafio de Salvador, vice na Volta do Grande ABCD, prova esse que Lucas Ribeiro conquistou o título.

 

Feminino

No feminino, a equipe ribeirão-pretana também brilhou. Gimena Stocco subiu ao pódio em provas do ranking nacional em 2013: ouro na 28ª edição da Corrida Macapá Verão de Ciclismo e no III Desafio Padre Anchieta de Ciclismo.

Em 2014, a equipe feminina ainda teve uma excelente participação nos Jogos Regionais. No total, foram dez medalhas: cinco de ouro, três de prata e duas de bronze.

Já em 2015, outra participação de destaque, com 11 medalhas. Foram cinco de ouro, quatro de prata e duas de bronze.

Em 2016, começou a integrar a equipe a paratleta Mariana Garcia, sendo a primeira paraciclista do time desde a fundação.

 

Categorias de Base

A ATC também incentiva o ciclismo nas categorias de base, principal foco da entidade para os próximos anos. O objetivo é revelar jovens talentos para o esporte brasileiro. Vários atletas já estão subindo ao pódio em diversas provas estaduais.

Em 2016, o time ribeirão-pretano contou com mais de 35 atletas, entre homens e mulheres até 19 anos, que treinam durante três dias da semana e participam de competições oficiais da Federação Paulista de Ciclismo (FPC) e Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC).

A ciclista Gabriela Martins, por exemplo, conquistou a Copa São Paulo por duas vezes, na categoria juvenil. Ganhou, também, medalhas no Campeonato Estadual Escolar. João Henrique Scaranti, companheiro de equipe, brilhou na categoria infanto-juvenil e levou a Copa SP em 2015.

Na temporada 2016, João Pedro Rossi conquistou o título paulista no contrarrelógio da categoria Junior, e Cecília Lance foi vice-campeã paulista de Resistência e medalha de bronze no contrarrelógio do Campeonato Brasileiro. Cecília disputou a categoria Infanto-Juvenil.

Ao final de 2016, a equipe seria campeã da Copa São Paulo, feito que voltaria a ser repetido na temporada 2017, mostrando assim a força do plantel ribeirãopretano, comandado pelos técnicos Fernando Bassanezi e Thiago Nardin.

Em 2017, RP viria a ter dois ciclistas convocados para seleção brasileira de base: João Pedro Rossi e Renan Izzo. Lucca Marques foi campeão paulista, e Cecília Lance deu show.

A jovem ciclista faturou o título paulista da categoria, além do título no Campeonato Brasileiro de contrarrelógio. Medalha de ouro para Cecília no mais importante torneio nacional de base.

 

Escola de Ciclismo Pedalando para o Futuro

Para aumentar ainda mais o número de jovens atletas interessados na prática da modalidade e a conscientização dos ciclistas que utilizam a bicicleta como meio de transporte, a Associação Terra de Ciclismo criou a Escolinha de Ciclismo “Pedalando para o Futuro”, que tem o objetivo de passar educação de trânsito para crianças carentes utilizando a bicicleta como ferramenta e, principalmente, estimulando a prática deste esporte, o ciclismo.

Com o objetivo de habilitar e ensinar a pedalar corretamente, são apresentadas às crianças informações de trânsito através da bicicleta, com aulas práticas sobre o tema, além de normas de segurança no trânsito.